Alternar Nav

Cristais de Sal

Cristais de Sal

Sal para tratamento de peixes ornamentais.
Tão baixo quanto R$33,58
SKU
T03

Descrição

O sal (NaCl) além de ser um produto de baixo custo, quando usado de maneira correta é uma substância muito eficaz em ações preventivas e até terapêuticas de uma série de problemas que podem ocorrer com os peixes e nas condições ambientais adversas do tanque.

Metabolismo
No organismo do peixe o sal (NaCl) age como um regulador da pressão osmótica.  Sua presença dentro ou fora das células vão controlar a entrada e saída de água regulando assim a pressão osmótica (osmorregulação). A pressão osmótica é a força com que a água se move por meio da membrana citoplasmática de uma solução contendo uma baixa concentração de substâncias dissolvidas para outra com alta concentração de solutos.

Tratamento
Parasitas causam infestações e injúrias nas brânquias dos peixes, o que favorece ainda mais a entrada de água no corpo e a perda de sais do sangue prejudicando a osmoregulação. Banhos de água salgada desidratam  os parasitas levando-o a morte e ainda possibilita a reposição de sais no sangue dos peixes, restabelecendo o equilíbrio osmorregulatório.

Informações Adicionais

Mais informações
Produto com regra especial de metragem? Não
Características
  • Prevenção de doenças
  • Combate de parasitose protozonicas externas.
  • Equilíbrio metabólico.
  • Combate a toxidez por nitrito.
  • Auxilia na eliminação de algas filamentosas.
  • Controle e tratamento de infecções fungicidas (ectodérmicas).
  • Realça as cores dos peixes.
  • Alívio do estresse.
Especificações
Cubos Cristais de SalKg/1000 litrosTempo
Uso contínuo - condições normais3 a 5Indeterminado
Controle de parasitas (protozoários)50Banhos de 20 segundos a 2 minutos
Controle de fungos20Banhos de 5 a 20 minutos
Prevenção de doença ambiental nas brânquias10Banhos de 2 a 4 horas
Prevenção de parasitas de doenças3Indeterminado

Lembrando que os banhos com altas concentrações de sal, não devem exceder 20 minutos. Os peixes estão no limite, quando  começam a perder  o equilíbrio.  A resistência dos animais mudam conforme a espécie.Fonte: Fernando Kubitza – Panorama da Aquicultura.